Sahifa fully responsive WordPress News, Magazine, Newspaper, and blog ThemeForest one of the most versatile website themes in the world.
José Eduardo Dutra de OliveiraI,*; Julio Sérgio MarchiniII IProfessor titular da FMRP Universidade de São Paulo - Coordenador de Especialização e Orientador/Pesquisador IIProfessor titular Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP - Chefe da Divisão de Nutrologia do Depto de Clínica Médica - Orientador/Pesquisador  
  A Nutrologia, nutrição clínica, é a especialidade médica que estuda os nutrientes dos alimentos, suas funções no organismo normal e a fisiopatologia, o diagnóstico e o tratamento dos distúrbios de nutrientes nas doenças.   
A Nutrologia é então essa especialidade médica que tem como agentes os nutrientes agindo em todo o organismo humano, como o são, por exemplo, as moléstias infecciosas ou a imunologia. E a Nutrologia é diferente das especialidades que tratam de órgãos ou sistemas como o são a Cardiologia ou a Hematologia. Distúrbios nutricionais, doenças nutricionais são então aqueles que têm como agentes diretos ou indiretos os nutrientes. Os objetivos dos médicos que trabalham nesta área são conhecer e mostrar as funções básicas e fundamentais dos nutrientes no crescimento, no desenvolvimento físico e mental do ser vivo, em prevenir doenças crônicas, especialmente as crônicas degenerativas não-infecciosas, garantir a saúde (a nutrição precede a saúde), a qualidade de vida, diagnosticar e tratar distúrbios de nutrientes que acontecem em toda a patologia, nas quais os nutrientes são demonstrados estarem ligados à sua fisiologia e fisiopatologia. Doenças nutricionais, clássicas e tradicionais são as deficiências, as carências de nutrientes. Como é relatado historicamente, a falta de vitamina C causa o escorbuto ou a carência de tiamina do beribéri. 
Nas últimas décadas, e hoje cada vez mais, as oenças nutricionais concentram-se em estudar, diagnosticar e tratar especificamente os distúrbios dos nutrientes e seus metabólitos no organismo. Verificam o que acontece normalmente com os nutrientes, do nascimento à velhice, e as conseqüências ou distúrbios de nutrientes que estão presentes nas crianças e nos adultos ligados aos alimentos, ao ambiente e a genética. A fome no mundo, da qual resulta a inanição e a morte, é ainda um grande problema alimentar e nutricional presente, mas maior que ela são os distúrbios nutricionais dos que comem mal, ricos e pobres. Grande maioria desta população está representada direta e/ou indiretamente pela obesidade, cardiopatias, diabetes, hipertensão, osteoporose, nas endocrinopatias e até em certos tipos de câncer. Torna-se assim cada vez mais importante e necessário que os estudantes de medicina, os médicos e as equipes médicas que tratam do indivíduo ou da comunidade, tenham mais claro a área e a competência dos médicos nutrólogos. Distúrbios de nutrientes têm sido demonstrados cada vez mais presentes e diagnosticados em várias áreas clínicas e cirúrgicas: veja os casos da obesidade, das cardiopatias ou da cirurgia bariátrica. Infelizmente, poucas Faculdades de Medicina no Brasil têm essa especialidade incluída no seu currículo de ensino médico clínico. A maioria dos médicos ainda não está consciente e habilitado nesta área, não tendo o devido conhecimento e experiência para prevenir, diagnosticar e tratar distúrbios médicos nutricionais. Também uma pequena minoria dos cursos médicos do país vem oferecendo residência e treinamento pós-graduado clínico em Nutrologia. A Nutrologia é especialidade já reconhecida pela Associação Médica Brasileira. Só nos últimos anos, e com a participação de um pequeno e pioneiro número de colegas, vem sendo oferecidos Residência e Cursos de Especialização em Nutrologia para Médicos. Isso acontece há alguns anos na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e na Associação Brasileira de Nutrologia, ABRAN. É para se assinalar que em outros países, como nos Estados Unidos, já existem alguns cursos paramédicos serem considerados especialistas em Nutrição Médica, reconhecidos e certificados pelo American Board of Physician Nutrition Specialist4. 
Por outro lado, o fato é que começa também a surgir em alguns e poucos países, em diversas partes do mundo, o médico especializado em Nutrição Clínica. Em nossos artigos publicados em inglês usamos o nome de nutrólogo (Nutrology) para esses especialistas, mas essa denominação ainda não é mundialmente reconhecida. No México existe o nome de nutriólogo, mas é um profissional diferente do nosso médico nutrólogo. O Brasil tem, assim, sido pioneiro no sentido de reconhecer e especializar médicos no estudo da nutrição e em moléstias nutricionais ligadas, primária ou secundariamente, a alimentos, alimentação e nutrientes. O nutrólogo é um clínico geral especializado em nutrientes na saúde e na doença, deve certamente fazer parte da equipe de médico da família. Seu papel preventivo é de fundamental importância. Alguns dos seus ramos, como Nutrição Enteral e Parenteral e a Nutrologia em Pediatria, estão mostrando cada vez mais a importância dos nutrientes e seus metabólitos no tratamento clínico e cirúrgico, no crescimento/desenvolvimento das crianças e ao mesmo tempo a sua ligação a cardiopatias5, doenças renais e hepáticas e em várias outras moléstias. A influência da alimentação e dos nutrientes nas dislipidemias, ou dos nutrientes na prevenção e tratamento da hipertensão, são problemas ligados à Nutrologia. Como o são também a demonstração do papel de substâncias funcionais dos alimentos, como a isoflavona da soja em problemas cardíacos, ou o benefício e os crescentes problemas nutricionais ligados ao tratamento clínico e cirúrgico da obesidade. Sua importância em relação ao diabetes são cada vez mais reconhecidas. E o mesmo se diga da importância cada vez maior do uso terapêutico dos alimentos e das dietas no tratamento clínico geral. A Dietologia, sub-área especializada da Nutrologia, começa a mostrar cada vez mais e com bases científicas, as funções dos nutrientes dos alimentos na saúde e na prevenção e tratamento de diferentes patologias médicas. Todos os pacientes recebem de uma forma ou de outra orientação e prescrição alimentar, mas infelizmente os médicos e os próprios pacientes pouco dão valor ou entendem sua real importância no tratamento das doenças. Dentro da área Nutrológica, a Dietologia Clínica, como citamos, estuda cientificamente os efeitos dos nutrientes e das substâncias funcionais existentes nos alimentos. Outros e novos desenvolvimentos na área clínica nutricional incluem os fármacos nutracêuticos e as substâncias funcionais dos alimentos, que eu chamo de nutroquímicos. A muito ativa pesquisa em Nutrologia Clínica procura identificar a presença e funções de produtos biologicamente ativos nos alimentos e novos nutrientes ou seus produtos metabólicos, mostrando sua importância na prevenção e o tratamento de doenças nutricionais primárias ou secundárias. Dentro da Nutrologia, outras áreas vêm se desenvolvendo e sub-especializando. É o caso dos especialistas em obesidade, a Obesologia, a grande epidemia deste século, ou, como dissemos, de nutrólogos que se especializam em suporte Nutricional Enteral e Parenteral ou a Nutro-Gastroenterologia Clínica ou Cirúrgica. A Nutro-Cirurgia é outro crescente campo atual de trabalho médico e cirúrgico, que certamente requer que seus especialistas tenham conhecimentos básicos de nutrientes, fisiologia, fisiopatologia e/ou trabalhem cada vez mais em equipes de nutrologia multiprofissionais. Do ponto de vista nutricional, é cada vez mais discutida a cirurgia bariátrica como sendo a melhor maneira de se controlar a epidemia da obesidade6. A literatura vem mostrando, em todo o mundo e mesmo no nosso grupo em Ribeirão Preto, a presença de sérios distúrbios nutricionais em indivíduos submetidos à cirurgia bariátrica7,8. Existem indicações especificas para a prevenção e tratamento clínico/cirúrgico da obesidade, mas ainda falta saber muito mais sobre a fisiopatologia e os distúrbios metabólicos que ocorrem no obeso. A Nutrologia e os distúrbios do comportamento alimentar são, cada vez mais, uma importante área de trabalho e especialização da equipe da nossa Nutrologia Clínica em Ribeirão Preto, liderada pelo Dr. José Ernesto dos Santos, nutrólogo do nosso grupo. Em anos recentes, temos também chamado a atenção para o advento da Nutrologia Celular e Molecular, estudando o que acontece com os nutrientes no nível tecidual, que inclui a Nutrogenômica9,10, o estudo clínico, metabólico e celular dos efeitos dos nutrientes em nível celular e molecular. A Nutrogenômica estuda o efeito, a função dos nutrientes no genoma, no proteoma e na metabolônica, que, ao lado da nutrogenética, estuda em nível celular e molecular as variações genéticas, as funções dos genes e a influência de nutrientes e sua interação na saúde e na doença. 
A Nutrologia cuida então da prevenção e da boa nutrição na saúde e do diagnóstico e tratamento de casos agudos e efeitos crônicos dos distúrbios nutricionais. É preciso que se entenda desnutrição como alteração de nutrientes, sua falta, seu excesso, seus desequilíbrios metabólicos e suas conseqüências funcionais e clínicas. Chama a atenção que ao lado da subnutrição e da fome, o mais grave problema médico nutricional mundial hoje é sem dúvida o sobrepeso e a obesidade, uma das formas mais prevalentes e epidêmicas da desnutrição, atingindo ricos e pobres. Eles têm sido objeto de um sem número de estudos sobre sua etiologia, caracterização e tratamento, incluindo hoje até o seu muitas vezes indiscriminado tratamento pela cirúrgica bariátrica. Esta, como tem sido chamada a atenção, é em grande número de casos realizada sem a correta indicação e acompanhamento do médico especialista em Nutrologia. A obesidade é, sem dúvida, um dos mais importantes e atuais campos de estudo e tratamento da Nutrologia. Outro é a Dietologia, o estudo da dieta em seus fundamentos fisiológicos e patológicos, que inclui a tradicional dietoterapia e a necessária mudança de comportamento alimentar e mais precisas indicações de fármacos. A variação do conteúdo em macronutrientes, dietas baixas em hidratos de carbono ou altas em proteínas ou das mais variadas composições em nutrientes continuam sendo utilizadas, mas, e ao mesmo tempo continuam sendo muito pouco discutidas e analisadas quanto à sua eficácia e eficiência a médio e longo prazo. Por outro lado, estudos de fatores que interferem no apetite e na saciedade, bem como a demonstração do efeito de peptídeos e hormônios na célula nervosa, no intestino e no cérebro, são campos e justificativas para o uso e eficácia de grande número de fármacos no tratamento da obesidade. O fato é que à medida que surgem mais dados sobre a ação, interação e a importância dos nutrientes e os seus metabólitos, tradicionais ou novos e de nutro-fármacos no organismo humano, cada vez mais se faz necessária a presença de médicos e equipe interprofissional, especializados na fisiologia, fisiopatologia dos nutrientes, na prevenção e no diagnóstico e no tratamento dos problemas médicos nutricionais.   
 
Referências 
1. Dutra de Oliveira JE. Teaching nutrition in medical schools: some problems and proposed solutions. J Nutr Educ. 1964;6:49         [ Links ] 
2. Dutra de Oliveira JE. Teaching nutrition in medial schools: past, present and future. World Rev Nutr Diet. 1976;25:142-65.         [ Links ] 
3. Souza N, Vannucchi H, Dutra de Oliveira JE. The teaching of Nutrition in Brazilian Medical Schools. World Rev Nutr Diet. 1981;38:215-7.         [ Links ] 
4. Heimburger DC. Training and certifying Physician Nutrition Specialists: The American Board of Physician Nutrition Specialists (ABPNS). Am J Clin Nutr. 2006;83:985S-7S.         [ Links ] 
5. Mozaffarian D, Kattan MB, Ascheiro A, Stampler MJ, Willett WC. Trans fatty acid and cardiovascular diseases. N Engl J Med. 2006;354:1601-13         [ Links ] 
6. Karmali L, Shaffer E. The battle against the obesity epidemic: is bariatrc surgery the perfect weapon? Clin Invest Med. 2005;28:147-56.         [ Links ] 
7. Kushner RF. Micronutrient deficiencies and bariatric surgery. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2005;13:405-11.         [ Links ] 
8. Pereira FA, Castro, Santos JE, Foss MC, Paula FJA. Impact of marked weight loss induced by bariatric surgery on bone mineral density and remodeling. Braz J Med Biol Res. 2007;40:509-17.         [ Links ] 
9. Mutch DM. Identifying regulatory hubs in obesity with nutrigenomics. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2005;13:431-7.         [ Links ] 
10. Dutra de Oliveira JE, Marchini JS. Nutrologia, saúde e genômica nutricional. nutrogenômica. In: Luís Mir L., editor. Genômica. São Paulo: Atheneu; 2004. p.819-34.         [ Links ]
Nutrologia: especialidade médica     José Eduardo Dutra de OliveiraI,*; Julio Sérgio MarchiniII IProfessor titular da FMRP Universidade de São Paulo - Coordenador de Especialização e Orientador/Pesquisador IIProfessor titular Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto - USP - Chefe da Divisão de Nutrologia do Depto de Clínica Médica - Orientador/Pesquisador     A Nutrologia, nutrição clínica, é a especialidade médica que estuda os nutrientes dos alimentos, suas funções no organismo normal e a fisiopatologia, o diagnóstico e o tratamento dos distúrbios de nutrientes nas doenças.  A Nutrologia é então essa especialidade médica que tem como agentes os nutrientes agindo em todo o organismo humano, como o são, por exemplo, as moléstias infecciosas ou a imunologia. E a Nutrologia é diferente das especialidades que tratam de órgãos ou sistemas como o são a Cardiologia ou a Hematologia. Distúrbios nutricionais, doenças nutricionais são então aqueles que têm como agentes diretos ou indiretos os nutrientes. Os objetivos dos médicos que trabalham nesta área são conhecer e mostrar as funções básicas e fundamentais dos nutrientes no crescimento, no desenvolvimento físico e mental do ser vivo, em prevenir doenças crônicas, especialmente as crônicas degenerativas não-infecciosas, garantir a saúde (a nutrição precede a saúde), a qualidade de vida, diagnosticar e tratar distúrbios de nutrientes que acontecem em toda a patologia, nas quais os nutrientes são demonstrados estarem ligados à sua fisiologia e fisiopatologia. Doenças nutricionais, clássicas e tradicionais são as deficiências, as carências de nutrientes. Como é relatado historicamente, a falta de vitamina C causa o escorbuto ou a carência de tiamina do beribéri. Nas últimas décadas, e hoje cada vez mais, as oenças nutricionais concentram-se em estudar, diagnosticar e tratar especificamente os distúrbios dos nutrientes e seus metabólitos no organismo. Verificam o que acontece normalmente com os nutrientes, do nascimento à velhice, e as conseqüências ou distúrbios de nutrientes que estão presentes nas crianças e nos adultos ligados aos alimentos, ao ambiente e a genética. A fome no mundo, da qual resulta a inanição e a morte, é ainda um grande problema alimentar e nutricional presente, mas maior que ela são os distúrbios nutricionais dos que comem mal, ricos e pobres. Grande maioria desta população está representada direta e/ou indiretamente pela obesidade, cardiopatias, diabetes, hipertensão, osteoporose, nas endocrinopatias e até em certos tipos de câncer. Torna-se assim cada vez mais importante e necessário que os estudantes de medicina, os médicos e as equipes médicas que tratam do indivíduo ou da comunidade, tenham mais claro a área e a competência dos médicos nutrólogos. Distúrbios de nutrientes têm sido demonstrados cada vez mais presentes e diagnosticados em várias áreas clínicas e cirúrgicas: veja os casos da obesidade, das cardiopatias ou da cirurgia bariátrica. Infelizmente, poucas Faculdades de Medicina no Brasil têm essa especialidade incluída no seu currículo de ensino médico clínico. A maioria dos médicos ainda não está consciente e habilitado nesta área, não tendo o devido conhecimento e experiência para prevenir, diagnosticar e tratar distúrbios médicos nutricionais. Também uma pequena minoria dos cursos médicos do país vem oferecendo residência e treinamento pós-graduado clínico em Nutrologia. A Nutrologia é especialidade já reconhecida pela Associação Médica Brasileira. Só nos últimos anos, e com a participação de um pequeno e pioneiro número de colegas, vem sendo oferecidos Residência e Cursos de Especialização em Nutrologia para Médicos. Isso acontece há alguns anos na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e na Associação Brasileira de Nutrologia, ABRAN. É para se assinalar que em outros países, como nos Estados Unidos, já existem alguns cursos paramédicos serem considerados especialistas em Nutrição Médica, reconhecidos e certificados pelo American Board of Physician Nutrition Specialist4. Por outro lado, o fato é que começa também a surgir em alguns e poucos países, em diversas partes do mundo, o médico especializado em Nutrição Clínica. Em nossos artigos publicados em inglês usamos o nome de nutrólogo (Nutrology) para esses especialistas, mas essa denominação ainda não é mundialmente reconhecida. No México existe o nome de nutriólogo, mas é um profissional diferente do nosso médico nutrólogo. O Brasil tem, assim, sido pioneiro no sentido de reconhecer e especializar médicos no estudo da nutrição e em moléstias nutricionais ligadas, primária ou secundariamente, a alimentos, alimentação e nutrientes. O nutrólogo é um clínico geral especializado em nutrientes na saúde e na doença, deve certamente fazer parte da equipe de médico da família. Seu papel preventivo é de fundamental importância. Alguns dos seus ramos, como Nutrição Enteral e Parenteral e a Nutrologia em Pediatria, estão mostrando cada vez mais a importância dos nutrientes e seus metabólitos no tratamento clínico e cirúrgico, no crescimento/desenvolvimento das crianças e ao mesmo tempo a sua ligação a cardiopatias5, doenças renais e hepáticas e em várias outras moléstias. A influência da alimentação e dos nutrientes nas dislipidemias, ou dos nutrientes na prevenção e tratamento da hipertensão, são problemas ligados à Nutrologia. Como o são também a demonstração do papel de substâncias funcionais dos alimentos, como a isoflavona da soja em problemas cardíacos, ou o benefício e os crescentes problemas nutricionais ligados ao tratamento clínico e cirúrgico da obesidade. Sua importância em relação ao diabetes são cada vez mais reconhecidas. E o mesmo se diga da importância cada vez maior do uso terapêutico dos alimentos e das dietas no tratamento clínico geral. A Dietologia, sub-área especializada da Nutrologia, começa a mostrar cada vez mais e com bases científicas, as funções dos nutrientes dos alimentos na saúde e na prevenção e tratamento de diferentes patologias médicas. Todos os pacientes recebem de uma forma ou de outra orientação e prescrição alimentar, mas infelizmente os médicos e os próprios pacientes pouco dão valor ou entendem sua real importância no tratamento das doenças. Dentro da área Nutrológica, a Dietologia Clínica, como citamos, estuda cientificamente os efeitos dos nutrientes e das substâncias funcionais existentes nos alimentos. Outros e novos desenvolvimentos na área clínica nutricional incluem os fármacos nutracêuticos e as substâncias funcionais dos alimentos, que eu chamo de nutroquímicos. A muito ativa pesquisa em Nutrologia Clínica procura identificar a presença e funções de produtos biologicamente ativos nos alimentos e novos nutrientes ou seus produtos metabólicos, mostrando sua importância na prevenção e o tratamento de doenças nutricionais primárias ou secundárias. Dentro da Nutrologia, outras áreas vêm se desenvolvendo e sub-especializando. É o caso dos especialistas em obesidade, a Obesologia, a grande epidemia deste século, ou, como dissemos, de nutrólogos que se especializam em suporte Nutricional Enteral e Parenteral ou a Nutro-Gastroenterologia Clínica ou Cirúrgica. A Nutro-Cirurgia é outro crescente campo atual de trabalho médico e cirúrgico, que certamente requer que seus especialistas tenham conhecimentos básicos de nutrientes, fisiologia, fisiopatologia e/ou trabalhem cada vez mais em equipes de nutrologia multiprofissionais. Do ponto de vista nutricional, é cada vez mais discutida a cirurgia bariátrica como sendo a melhor maneira de se controlar a epidemia da obesidade6. A literatura vem mostrando, em todo o mundo e mesmo no nosso grupo em Ribeirão Preto, a presença de sérios distúrbios nutricionais em indivíduos submetidos à cirurgia bariátrica7,8. Existem indicações especificas para a prevenção e tratamento clínico/cirúrgico da obesidade, mas ainda falta saber muito mais sobre a fisiopatologia e os distúrbios metabólicos que ocorrem no obeso. A Nutrologia e os distúrbios do comportamento alimentar são, cada vez mais, uma importante área de trabalho e especialização da equipe da nossa Nutrologia Clínica em Ribeirão Preto, liderada pelo Dr. José Ernesto dos Santos, nutrólogo do nosso grupo. Em anos recentes, temos também chamado a atenção para o advento da Nutrologia Celular e Molecular, estudando o que acontece com os nutrientes no nível tecidual, que inclui a Nutrogenômica9,10, o estudo clínico, metabólico e celular dos efeitos dos nutrientes em nível celular e molecular. A Nutrogenômica estuda o efeito, a função dos nutrientes no genoma, no proteoma e na metabolônica, que, ao lado da nutrogenética, estuda em nível celular e molecular as variações genéticas, as funções dos genes e a influência de nutrientes e sua interação na saúde e na doença. A Nutrologia cuida então da prevenção e da boa nutrição na saúde e do diagnóstico e tratamento de casos agudos e efeitos crônicos dos distúrbios nutricionais. É preciso que se entenda desnutrição como alteração de nutrientes, sua falta, seu excesso, seus desequilíbrios metabólicos e suas conseqüências funcionais e clínicas. Chama a atenção que ao lado da subnutrição e da fome, o mais grave problema médico nutricional mundial hoje é sem dúvida o sobrepeso e a obesidade, uma das formas mais prevalentes e epidêmicas da desnutrição, atingindo ricos e pobres. Eles têm sido objeto de um sem número de estudos sobre sua etiologia, caracterização e tratamento, incluindo hoje até o seu muitas vezes indiscriminado tratamento pela cirúrgica bariátrica. Esta, como tem sido chamada a atenção, é em grande número de casos realizada sem a correta indicação e acompanhamento do médico especialista em Nutrologia. A obesidade é, sem dúvida, um dos mais importantes e atuais campos de estudo e tratamento da Nutrologia. Outro é a Dietologia, o estudo da dieta em seus fundamentos fisiológicos e patológicos, que inclui a tradicional dietoterapia e a necessária mudança de comportamento alimentar e mais precisas indicações de fármacos. A variação do conteúdo em macronutrientes, dietas baixas em hidratos de carbono ou altas em proteínas ou das mais variadas composições em nutrientes continuam sendo utilizadas, mas, e ao mesmo tempo continuam sendo muito pouco discutidas e analisadas quanto à sua eficácia e eficiência a médio e longo prazo. Por outro lado, estudos de fatores que interferem no apetite e na saciedade, bem como a demonstração do efeito de peptídeos e hormônios na célula nervosa, no intestino e no cérebro, são campos e justificativas para o uso e eficácia de grande número de fármacos no tratamento da obesidade. O fato é que à medida que surgem mais dados sobre a ação, interação e a importância dos nutrientes e os seus metabólitos, tradicionais ou novos e de nutro-fármacos no organismo humano, cada vez mais se faz necessária a presença de médicos e equipe interprofissional, especializados na fisiologia, fisiopatologia dos nutrientes, na prevenção e no diagnóstico e no tratamento dos problemas médicos nutricionais.   Referências 1. Dutra de Oliveira JE. Teaching nutrition in medical schools: some problems and proposed solutions. J Nutr Educ. 1964;6:49         [ Links ] 2. Dutra de Oliveira JE. Teaching nutrition in medial schools: past, present and future. World Rev Nutr Diet. 1976;25:142-65.         [ Links ] 3. Souza N, Vannucchi H, Dutra de Oliveira JE. The teaching of Nutrition in Brazilian Medical Schools. World Rev Nutr Diet. 1981;38:215-7.         [ Links ] 4. Heimburger DC. Training and certifying Physician Nutrition Specialists: The American Board of Physician Nutrition Specialists (ABPNS). Am J Clin Nutr. 2006;83:985S-7S.         [ Links ] 5. Mozaffarian D, Kattan MB, Ascheiro A, Stampler MJ, Willett WC. Trans fatty acid and cardiovascular diseases. N Engl J Med. 2006;354:1601-13         [ Links ] 6. Karmali L, Shaffer E. The battle against the obesity epidemic: is bariatrc surgery the perfect weapon? Clin Invest Med. 2005;28:147-56.         [ Links ] 7. Kushner RF. Micronutrient deficiencies and bariatric surgery. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2005;13:405-11.         [ Links ] 8. Pereira FA, Castro, Santos JE, Foss MC, Paula FJA. Impact of marked weight loss induced by bariatric surgery on bone mineral density and remodeling. Braz J Med Biol Res. 2007;40:509-17.         [ Links ] 9. Mutch DM. Identifying regulatory hubs in obesity with nutrigenomics. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2005;13:431-7.         [ Links ] 10. Dutra de Oliveira JE, Marchini JS. Nutrologia, saúde e genômica nutricional. nutrogenômica. In: Luís Mir L., editor. Genômica. São Paulo: Atheneu; 2004. p.819-34.         [ Links ]    
Nutrologia: especialidade médica
José Eduardo Dutra de OliveiraI,*; Julio Sérgio MarchiniII
IProfessor titular da FMRP Universidade de São Paulo – Coordenador de Especialização e Orientador/Pesquisador
IIProfessor titular Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto – USP – Chefe da Divisão de Nutrologia do Depto de Clínica Médica – Orientador/Pesquisador
A Nutrologia, nutrição clínica, é a especialidade médica que estuda os nutrientes dos alimentos, suas funções no organismo normal e a fisiopatologia, o diagnóstico e o tratamento dos distúrbios de nutrientes nas doenças.
A Nutrologia é então essa especialidade médica que tem como agentes os nutrientes agindo em todo o organismo humano, como o são, por exemplo, as moléstias infecciosas ou a imunologia. E a Nutrologia é diferente das especialidades que tratam de órgãos ou sistemas como o são a Cardiologia ou a Hematologia. Distúrbios nutricionais, doenças nutricionais são então aqueles que têm como agentes diretos ou indiretos os nutrientes. Os objetivos dos médicos que trabalham nesta área são conhecer e mostrar as funções básicas e fundamentais dos nutrientes no crescimento, no desenvolvimento físico e mental do ser vivo, em prevenir doenças crônicas, especialmente as crônicas degenerativas não-infecciosas, garantir a saúde (a nutrição precede a saúde), a qualidade de vida, diagnosticar e tratar distúrbios de nutrientes que acontecem em toda a patologia, nas quais os nutrientes são demonstrados estarem ligados à sua fisiologia e fisiopatologia. Doenças nutricionais, clássicas e tradicionais são as deficiências, as carências de nutrientes. Como é relatado historicamente, a falta de vitamina C causa o escorbuto ou a carência de tiamina do beribéri.
Nas últimas décadas, e hoje cada vez mais, as oenças nutricionais concentram-se em estudar, diagnosticar e tratar especificamente os distúrbios dos nutrientes e seus metabólitos no organismo. Verificam o que acontece normalmente com os nutrientes, do nascimento à velhice, e as conseqüências ou distúrbios de nutrientes que estão presentes nas crianças e nos adultos ligados aos alimentos, ao ambiente e a genética. A fome no mundo, da qual resulta a inanição e a morte, é ainda um grande problema alimentar e nutricional presente, mas maior que ela são os distúrbios nutricionais dos que comem mal, ricos e pobres. Grande maioria desta população está representada direta e/ou indiretamente pela obesidade, cardiopatias, diabetes, hipertensão, osteoporose, nas endocrinopatias e até em certos tipos de câncer. Torna-se assim cada vez mais importante e necessário que os estudantes de medicina, os médicos e as equipes médicas que tratam do indivíduo ou da comunidade, tenham mais claro a área e a competência dos médicos nutrólogos. Distúrbios de nutrientes têm sido demonstrados cada vez mais presentes e diagnosticados em várias áreas clínicas e cirúrgicas: veja os casos da obesidade, das cardiopatias ou da cirurgia bariátrica. Infelizmente, poucas Faculdades de Medicina no Brasil têm essa especialidade incluída no seu currículo de ensino médico clínico. A maioria dos médicos ainda não está consciente e habilitado nesta área, não tendo o devido conhecimento e experiência para prevenir, diagnosticar e tratar distúrbios médicos nutricionais. Também uma pequena minoria dos cursos médicos do país vem oferecendo residência e treinamento pós-graduado clínico em Nutrologia. A Nutrologia é especialidade já reconhecida pela Associação Médica Brasileira. Só nos últimos anos, e com a participação de um pequeno e pioneiro número de colegas, vem sendo oferecidos Residência e Cursos de Especialização em Nutrologia para Médicos. Isso acontece há alguns anos na Faculdade de Medicina de Ribeirão Preto e na Associação Brasileira de Nutrologia, ABRAN. É para se assinalar que em outros países, como nos Estados Unidos, já existem alguns cursos paramédicos serem considerados especialistas em Nutrição Médica, reconhecidos e certificados pelo American Board of Physician Nutrition Specialist4.
Por outro lado, o fato é que começa também a surgir em alguns e poucos países, em diversas partes do mundo, o médico especializado em Nutrição Clínica. Em nossos artigos publicados em inglês usamos o nome de nutrólogo (Nutrology) para esses especialistas, mas essa denominação ainda não é mundialmente reconhecida. No México existe o nome de nutriólogo, mas é um profissional diferente do nosso médico nutrólogo. O Brasil tem, assim, sido pioneiro no sentido de reconhecer e especializar médicos no estudo da nutrição e em moléstias nutricionais ligadas, primária ou secundariamente, a alimentos, alimentação e nutrientes. O nutrólogo é um clínico geral especializado em nutrientes na saúde e na doença, deve certamente fazer parte da equipe de médico da família. Seu papel preventivo é de fundamental importância. Alguns dos seus ramos, como Nutrição Enteral e Parenteral e a Nutrologia em Pediatria, estão mostrando cada vez mais a importância dos nutrientes e seus metabólitos no tratamento clínico e cirúrgico, no crescimento/desenvolvimento das crianças e ao mesmo tempo a sua ligação a cardiopatias5, doenças renais e hepáticas e em várias outras moléstias. A influência da alimentação e dos nutrientes nas dislipidemias, ou dos nutrientes na prevenção e tratamento da hipertensão, são problemas ligados à Nutrologia. Como o são também a demonstração do papel de substâncias funcionais dos alimentos, como a isoflavona da soja em problemas cardíacos, ou o benefício e os crescentes problemas nutricionais ligados ao tratamento clínico e cirúrgico da obesidade. Sua importância em relação ao diabetes são cada vez mais reconhecidas. E o mesmo se diga da importância cada vez maior do uso terapêutico dos alimentos e das dietas no tratamento clínico geral. A Dietologia, sub-área especializada da Nutrologia, começa a mostrar cada vez mais e com bases científicas, as funções dos nutrientes dos alimentos na saúde e na prevenção e tratamento de diferentes patologias médicas. Todos os pacientes recebem de uma forma ou de outra orientação e prescrição alimentar, mas infelizmente os médicos e os próprios pacientes pouco dão valor ou entendem sua real importância no tratamento das doenças. Dentro da área Nutrológica, a Dietologia Clínica, como citamos, estuda cientificamente os efeitos dos nutrientes e das substâncias funcionais existentes nos alimentos. Outros e novos desenvolvimentos na área clínica nutricional incluem os fármacos nutracêuticos e as substâncias funcionais dos alimentos, que eu chamo de nutroquímicos. A muito ativa pesquisa em Nutrologia Clínica procura identificar a presença e funções de produtos biologicamente ativos nos alimentos e novos nutrientes ou seus produtos metabólicos, mostrando sua importância na prevenção e o tratamento de doenças nutricionais primárias ou secundárias.
Dentro da Nutrologia, outras áreas vêm se desenvolvendo e sub-especializando. É o caso dos especialistas em obesidade, a Obesologia, a grande epidemia deste século, ou, como dissemos, de nutrólogos que se especializam em suporte Nutricional Enteral e Parenteral ou a Nutro-Gastroenterologia Clínica ou Cirúrgica. A Nutro-Cirurgia é outro crescente campo atual de trabalho médico e cirúrgico, que certamente requer que seus especialistas tenham conhecimentos básicos de nutrientes, fisiologia, fisiopatologia e/ou trabalhem cada vez mais em equipes de nutrologia multiprofissionais. Do ponto de vista nutricional, é cada vez mais discutida a cirurgia bariátrica como sendo a melhor maneira de se controlar a epidemia da obesidade6. A literatura vem mostrando, em todo o mundo e mesmo no nosso grupo em Ribeirão Preto, a presença de sérios distúrbios nutricionais em indivíduos submetidos à cirurgia bariátrica7,8. Existem indicações especificas para a prevenção e tratamento clínico/cirúrgico da obesidade, mas ainda falta saber muito mais sobre a fisiopatologia e os distúrbios metabólicos que ocorrem no obeso.
A Nutrologia e os distúrbios do comportamento alimentar são, cada vez mais, uma importante área de trabalho e especialização da equipe da nossa Nutrologia Clínica em Ribeirão Preto, liderada pelo Dr. José Ernesto dos Santos, nutrólogo do nosso grupo. Em anos recentes, temos também chamado a atenção para o advento da Nutrologia Celular e Molecular, estudando o que acontece com os nutrientes no nível tecidual, que inclui a Nutrogenômica9,10, o estudo clínico, metabólico e celular dos efeitos dos nutrientes em nível celular e molecular. A Nutrogenômica estuda o efeito, a função dos nutrientes no genoma, no proteoma e na metabolônica, que, ao lado da nutrogenética, estuda em nível celular e molecular as variações genéticas, as funções dos genes e a influência de nutrientes e sua interação na saúde e na doença.
A Nutrologia cuida então da prevenção e da boa nutrição na saúde e do diagnóstico e tratamento de casos agudos e efeitos crônicos dos distúrbios nutricionais. É preciso que se entenda desnutrição como alteração de nutrientes, sua falta, seu excesso, seus desequilíbrios metabólicos e suas conseqüências funcionais e clínicas. Chama a atenção que ao lado da subnutrição e da fome, o mais grave problema médico nutricional mundial hoje é sem dúvida o sobrepeso e a obesidade, uma das formas mais prevalentes e epidêmicas da desnutrição, atingindo ricos e pobres. Eles têm sido objeto de um sem número de estudos sobre sua etiologia, caracterização e tratamento, incluindo hoje até o seu muitas vezes indiscriminado tratamento pela cirúrgica bariátrica. Esta, como tem sido chamada a atenção, é em grande número de casos realizada sem a correta indicação e acompanhamento do médico especialista em Nutrologia. A obesidade é, sem dúvida, um dos mais importantes e atuais campos de estudo e tratamento da Nutrologia. Outro é a Dietologia, o estudo da dieta em seus fundamentos fisiológicos e patológicos, que inclui a tradicional dietoterapia e a necessária mudança de comportamento alimentar e mais precisas indicações de fármacos. A variação do conteúdo em macronutrientes, dietas baixas em hidratos de carbono ou altas em proteínas ou das mais variadas composições em nutrientes continuam sendo utilizadas, mas, e ao mesmo tempo continuam sendo muito pouco discutidas e analisadas quanto à sua eficácia e eficiência a médio e longo prazo. Por outro lado, estudos de fatores que interferem no apetite e na saciedade, bem como a demonstração do efeito de peptídeos e hormônios na célula nervosa, no intestino e no cérebro, são campos e justificativas para o uso e eficácia de grande número de fármacos no tratamento da obesidade. O fato é que à medida que surgem mais dados sobre a ação, interação e a importância dos nutrientes e os seus metabólitos, tradicionais ou novos e de nutro-fármacos no organismo humano, cada vez mais se faz necessária a presença de médicos e equipe interprofissional, especializados na fisiologia, fisiopatologia dos nutrientes, na prevenção e no diagnóstico e no tratamento dos problemas médicos nutricionais.
Referências
1. Dutra de Oliveira JE. Teaching nutrition in medical schools: some problems and proposed solutions. J Nutr Educ. 1964;6:49         [ Links ]
2. Dutra de Oliveira JE. Teaching nutrition in medial schools: past, present and future. World Rev Nutr Diet. 1976;25:142-65.         [ Links ]
3. Souza N, Vannucchi H, Dutra de Oliveira JE. The teaching of Nutrition in Brazilian Medical Schools. World Rev Nutr Diet. 1981;38:215-7.         [ Links ]
4. Heimburger DC. Training and certifying Physician Nutrition Specialists: The American Board of Physician Nutrition Specialists (ABPNS). Am J Clin Nutr. 2006;83:985S-7S.         [ Links ]
5. Mozaffarian D, Kattan MB, Ascheiro A, Stampler MJ, Willett WC. Trans fatty acid and cardiovascular diseases. N Engl J Med. 2006;354:1601-13         [ Links ]
6. Karmali L, Shaffer E. The battle against the obesity epidemic: is bariatrc surgery the perfect weapon? Clin Invest Med. 2005;28:147-56.         [ Links ]
7. Kushner RF. Micronutrient deficiencies and bariatric surgery. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2005;13:405-11.         [ Links ]
8. Pereira FA, Castro, Santos JE, Foss MC, Paula FJA. Impact of marked weight loss induced by bariatric surgery on bone mineral density and remodeling. Braz J Med Biol Res. 2007;40:509-17.         [ Links ]
9. Mutch DM. Identifying regulatory hubs in obesity with nutrigenomics. Curr Opin Endocrinol Diabetes Obes. 2005;13:431-7.         [ Links ]
10. Dutra de Oliveira JE, Marchini JS. Nutrologia, saúde e genômica nutricional. nutrogenômica. In: Luís Mir L., editor. Genômica. São Paulo: Atheneu; 2004. p.819-34.         [ Links ]
Dra. Camila Perlin Ramos
Dra. Camila Perlin Ramos
Camila Perlin Ramos é graduada em Medicina pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), e especialista em Nutrologia pela Associação Médica Brasileira (AMB) e pela Associação Brasileira de Nutrologia (ABRAN). Fez residência em Nutrologia no Hospital de Clínicas de Porto Alegre (HCPA), RS, e é mestranda em Ciências da Saúde pela Faculdade de Medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *